Receita para economizar energia e reduzir emissão de carbono - FCA Latam
FCA Brasil
  • A A A

Enviar por email:

Receita para economizar energia e reduzir emissão de carbono

Receita para economizar energia e reduzir emissão de carbono

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Como o Polo Automotivo Fiat reduziu seu consumo de energia pela metade com placas de LED, de olho na sustentabilidade

“Quantas pessoas são necessárias para trocar uma lâmpada?” – a piada é velha, mas certamente a complexidade da resposta em uma casa ou escritório é uma. Já num galpão operacional de uma fabricante de automóveis que não para (quase) nunca, a coisa é um pouquinho mais complicada. Mas vale a pena do mesmo jeito. De 2014 até agora, a Unidade Operativa Funilaria do Polo Automotivo Fiat em Betim (MG) trocou 75% das antigas luminárias fluorescentes por placas de LED. Apenas esta troca já cortou pela metade os custos com a iluminação do galpão. E, quando o restante das lâmpadas for substituído (até setembro de 2018), a economia vai ultrapassar 66%. Este é um projeto piloto, sugerido pelos funcionários. E a coisa não para por aí.

A unidade só não chegou a 100% das substituições porque as trocas só são possíveis em alguns dos poucos momentos em que a produção pausa. Além disso, a unidade tinha nada menos que 23.850 luminárias fluorescentes e tudo precisa seguir um projeto luminotécnico, feito em parceria com a Philips. Quando finalizada a troca, serão 14 mil luminárias LED. Ela custa mais caro, é verdade, mas tem uma durabilidade muito maior (50 mil horas, contra 7 mil horas das fluorescentes). Além disso, cada luminária LED gasta 45 watts (25 a menos que a fluorescente), e “como ela tem mais eficiência na transformação da energia elétrica em luz, cada luminária de LED substitui cerca de duas das luminárias fluorescentes”, conta o analista Paulo Henrique Caldeira Carneiro, da Engenharia de Produção da Funilaria, um dos responsáveis pela iniciativa. Tudo isso significa que, mesmo mais cara, ela sai duas vezes mais em conta. E olha que nem contamos a economia com manutenção, que é absurda (12,6 vezes menor!). No fim, “para cada R$ 1 investido, recupera-se R$ 1,66”, resume o preparador de máquinas da Funilaria, Isaque César de Sousa Lino, que também é um dos idealizadores.

LED_2

Ok, então temos os 66% de economia apenas trocando as luminárias velhas por LED. Mas não estamos falando apenas de dinheiro. Consumir esse tanto de energia elétrica a menos significa também emitir bem menos carbono na atmosfera, o que contribui no combate ao aquecimento global. Isso sem contar as emissões dos caminhões que transportavam as mais de duas mil e quinhentas lâmpadas fluorescentes trocadas todos os meses. Esse descarte deixa de existir com a adoção da tecnologia LED. Também não contamos as emissões da reciclagem daquele monte de vidro com química dentro.

Como você viu, as vantagens são muitas. Mas eu disse lá no começo que a coisa não parava por aqui, lembra? Então, é que essas lâmpadas novas têm mais do que a tecnologia LED. Possuem também um reator inteligente com o protocolo de comunicação Dali, que permite a conexão entre os reatores das luminárias, os sensores de presença e luminosidade e o software supervisório através de uma porta Ethernet. Os sensores de presença e luminosidade que, como o nome sugere, identificam a luminosidade natural do local (noite e tempestade são bem diferentes de um dia ensolarado sobre telhas semitransparentes, certo?) e também se alguém está trabalhando ali por perto. Havendo presença na área observada por aqueles sensores, um mecanismo eletrônico ajusta automaticamente a luminosidade das lâmpadas (em uma palavra: dimeriza), de modo que o ambiente de trabalho sempre estará bem iluminado, mas não terá desperdícios. Sabe aqueles 66% de economia? Ainda não contavam com isso!

LED_5

Existe também na FCA uma iniciativa chamada “Manufacturing 2020”, que começou no início deste ano e, resumidamente, tem o objetivo de indicar os caminhos da inovação e indústria 4.0 para os processos industriais. A evolução consiste no uso de vários elementos tecnológicos, como robótica avançada, simulação, internet das coisas, manufatura aditiva, realidade aumentada, computação em nuvem, sistemas analíticos e cognitivos. Em outras palavras, “nossos processos podem ser reinventados, buscando novas oportunidades de conceito com baixo custo. É uma mudança de cultura com foco na qualidade para cliente final”, conta Marcelo Lima, engenheiro de Manufatura da FCA para a América Latina. “O Manufacturing 2020 tem um laboratório transversal e colaborativo para testar as novas ideias que têm o potencial de serem implementadas. Aqui podemos arriscar, errar e atuar nas correções antes de ir nos processos fabris”, completa.

LED_3

E o que essa iniciativa tem a ver com as lâmpadas LED? É onde entra o “fazer mais com menos”: o time do Manufacturing 2020 pegou a iniciativa do pessoal da Funilaria para estudar a viabilidade de implantação. Para isso, eles criaram uma prova de conceito focada nessa parte da dimerização. “Trabalhamos sempre para minimizar as nossas perdas”, diz Lima. “Dentro de alguns processos como prensas e pintura, a maior perda é nessa parte de energia elétrica. Então queremos implementar a iluminação inteligente, que nada mais é do que todas as lâmpadas do setor serem de LED e controladas pelo sensor fotovoltaico”, conta. “Com a prova de conceito, difundimos para todos os setores que visitam o LAB, planejamos, depois validamos e implantamos a tecnologia dentro de uma área piloto, para em seguida expandir para as outras oficinas e escritórios”, explica.

A versão 4.0 da Revolução Industrial chegou para ficar. Que venha a iluminação inteligente! E que venham todas as outras tecnologias que ajudam a preservar o planeta ao mesmo tempo em que se modernizam os processos produtivos.

 

Compartilhar

Comentários

Posts mais lidos